Atualmente, todos os modelos de aparelhos auditivos são digitais. Isso significa que eles captam o som ambiente e transformam as ondas sonoras em corrente elétrica. Assim, são capazes de amplificar o som com inteligência.

Para entender melhor esse processo de captação do som, leia: Como funcionam os aparelhos auditivos.

A tecnologia e o avanço da ciência permitiram uma grande evolução na confecção de aparelhos auditivos. Hoje, existem diferentes modelos para que cada necessidade seja suprida com conforto, segurança e alta performance!

Como escolher o melhor entre os modelos de aparelhos auditivos?

A escolha do modelo de aparelho auditivo deve partir de três questões: o tipo e nível de perda auditiva do paciente, a sua preferência (como ele se sente mais confortável) e o estilo de vida que esse paciente leva.

Um fator primário que diferencia os principais modelos de aparelhos auditivos é a localização do dispositivo em relação à orelha do paciente.

Os que ficam atrás da orelha são chamados retroauriculares ou BTE (Behind The Ear) e os que ficam no interior da orelha são os intra-auriculares ou ITE (In The Ear).

Aparelhos auditivos retroauriculares

Os aparelhos retroauriculares possuem duas partes: a caixa e o molde auricular. A primeira fica atrás da orelha, ligeiramente acima do pavilhão auricular. É nessa “caixa” que ficam os componentes eletrônicos do aparelho. Já o molde auricular recebe a transmissão do som por meio de um minúsculo tubo plástico é encaixado no início do canal auditivo.

Pelo fato de não fechar o canal auditivo como outros modelos, o aparelho BTE oferece uma experiência sonora mais natural. Entretanto, cada paciente tem sua preferência e percepção sonora.

Atualmente, os modelos BTE são discretos, pequenos e ainda disponíveis em diferentes tons e cores. 

Há ainda outro modelo classificado como retroauricular: o receptor no canal ou RIC (Receiver In the Canal). Assim como o retroauricular convencional, esse modelo é composto por duas partes, mas é consideravelmente menor

A principal diferença entre o BTE e o RIC é a localização do receptor. Enquanto o aparelho retroauricular convencional tem seu receptor na caixa externa à orelha, o RIC oferece o receptor do som diretamente na orelha do paciente. O que diminui as chances de interferência no som.

Aparelhos auditivos Intra-auriculares

Diferentemente dos retroauriculares, os aparelhos desse modelo são personalizados. Isso significa que cada paciente tem seu aparelho auditivo confeccionado de acordo com o formato da sua orelha, seu tipo e nível de perda auditiva e até mesmo seu estilo e preferências. 

Eles são compostos por apenas uma parte que é encaixada no canal auditivo. Há três possibilidades de encaixe e cada uma delas oferece diferentes vantagens. Confira!

  • Intra-auricular ou ITE (In The Ear): entre os modelos intra-auriculares, o ITE é o que abrange mais níveis de deficiência auditiva. Ele preenche completamente o pavilhão auricular e, por ser maior do que os demais, pode conter mais funcionalidades tecnológicas, como a comunicação entre os aparelhos (orelha a orelha).
  • Intracanal ou ITC (In The Canal): é o mais popular dos aparelhos intra-auriculares. Ele fica dentro do canal auditivo, mas não chega a “desaparecer”.
  • Completamente no canal ou CIC (Completely In the Canal): é um pouco menor do que o ITC e fica no meio do canal auditivo.
  • Invisível no canal ou IIC (Invisible In the Canal): esse modelo é ainda menor que o primeiro, e fica no interior do canal auditivo. Ele é, de fato, invisível devido ao seu tamanho e posição.

Descubra qual é o melhor modelo para você

Não foi tão difícil entender, certo? A surdez e o uso de aparelhos auditivos não precisam ser assuntos assustadores. A ReSound tem trabalhado para reduzir a distância entre pessoas com deficiência auditiva e a recuperação de sua qualidade de vida.Consulte um especialista nos centros auditivos ReSound e redescubra o som com o melhor modelo de aparelho auditivo para você!

Pin It on Pinterest

Abrir chat
Atendimento por WhatsApp
Powered by