Manter os ouvidos bem cuidados e saudáveis é mais simples do que se imagina. Mesmo assim, muitas pessoas cometem erros ao não prestarem atenção em hábitos do dia a dia ou exagerarem no “cuidado”. Aqui você vai encontrar recomendações básicas de como cuidar dos ouvidos e três erros comuns que você precisa evitar!

A perda de audição pode acontecer por diversos motivos e, na maioria das vezes, é um processo lento e gradual, como já descrevemos aqui. Ela pode ser caracterizada como mista, neurossensorial ou condutiva. 

A perda auditiva mista se deve a algum dano no ouvido interno e também a fatores no ouvido externo. Já no caso da neurossensorial, os problemas ocorrem na orelha interna e/ou no caminho das ondas sonoras até o córtex central, ou seja, o sistema nervoso. São condições mais graves e, apesar de intervenções serem bem-vindas, o quadro não é reversível.

Ainda existe a perda auditiva condutiva, quando ocorrem problemas na transmissão do som através do ouvido externo ou do ouvido médio. Há situações em que um evento específico pode causar ferimentos no tímpano ou até mesmo surdez parcial ou completa de um dia para o outro.

Em muitos desses casos, a causa é a higienização incorreta dos ouvidos, mas essa condição é tratável e muitas vezes, reversível.

Um estudo divulgado pelo Departamento Pediátrico de Otorrinolaringologia do Nationwide Children’s Hospital, nos Estados Unidos, explica que quase três quartos dos casos de ferimento nos ouvidos em crianças e jovens de até 18 anos, aconteceram durante a higienização do ouvido.

O dado desconstrói a ideia de que perda auditiva é algo que só acontece entre os mais velhos e prova que qualquer pessoa está suscetível ao problema. Mas será que você também comete erros comuns no seu dia a dia?

1. Uso de hastes flexíveis 

O erro mais comum é o uso de hastes flexíveis com pontas de algodão (cotonetes) para limpar o canal auricular. De fato, nossos ouvidos devem ser higienizados e os cotonetes facilitam esse processo, mas o correto é limpar apenas a parte externa do ouvido, principalmente se você estiver usando um cotonete.

O cerume produzido pelo organismo tem a função de proteger os ouvidos de substâncias poluentes, água ou qualquer outro fluido. O excesso de cera fica ressecado e é naturalmente eliminado do ouvido, por isso, dizemos que o canal auricular tem um mecanismo autolimpante

Portanto, introduzir cotonetes ou qualquer objeto pontiagudo nos ouvidos é desnecessário e perigoso!

O primeiro motivo é basicamente porque a cera não deve ser removida (apenas em casos particulares, que trataremos adiante). Em segundo lugar, e ainda mais importante, porque o objeto inserido pode empurrar a cera para o fundo do ouvido.

Esse hábito pode compactar a cera no fundo do canal auricular, causando o que chamamos de cerume impactado, ou rolha de cera. O problema é que essa “rolha” afeta a audição dando a sensação de ouvido tampado.

Inserir objetos no ouvido também pode causar ferimentos no canal auricular ou até mesmo no tímpano, gerando infecção no ouvido ou até a perda parcial da audição.

 

2. Introdução de substâncias líquidas no ouvido

Óleo vegetal aquecido, óleo para pele de bebê, álcool e água oxigenada são comumente indicados como tratamentos caseiros para dor ou sensação de entupimento nos ouvidos. Mas introduzir líquidos ou qualquer substância nos ouvidos sem a orientação de um médico é muito perigoso.

De fato, algumas dessas substâncias podem aliviar dores de ouvido e auxiliar no desentupimento. É aí que está o perigo: a sensação de alívio dá a impressão de que o problema foi resolvido. 

Então, além de não procurar um médico, as pessoas passam a repetir o procedimento sempre que sentem incômodo nos ouvidos. Essa conduta pode agravar o que antes era um problema simples. Como nenhuma dessas substâncias é própria para os ouvidos, pode ocorrer o aumento das chances de infecção e até danos diretos à audição

medicamentos específicos para auxiliar a remoção da secreção excessiva do ouvido. Esses sim são seguros e podem ser aplicados em casa desde que prescritos por um otorrinolaringologista e da forma indicada pelo médico.

A lavagem auricular é um procedimento recomendado para os casos em que  o excesso de cerume não é expelido após o uso de medicamentos específicos e deve ser feito pelo otorrinolaringologista. . Mas ela deve ser feita por um profissional com equipamento e substância adequados e na frequência recomendada.

 

3. Limpeza exagerada dos ouvidos

Por fim, o terceiro erro que muitos entendem como acerto é a frequência exagerada de limpeza do ouvido. Como dito anteriormente, nossos ouvidos são autolimpantes e precisam de intervenção apenas em casos específicos. 

Secar bem os ouvidos após o banho é importante, mas isso deve ser feito com a toalha e, mais uma vez, apenas na parte exterior da orelha, onde o dedo alcança. 

A limpeza com hastes de algodão ou até mesmo com gotas de óleo de bebê aplicadas em discos de algodão não deve ser feita mais de uma vez por semana. Além disso, ela nunca deve alcançar o canal auricular. No final das contas, o ditado popular “não coloque nada em seu ouvido que seja menor que seu cotovelo” tem fundamento!

 

Outros erros

Além desses equívocos na hora de higienizar os ouvidos, alguns comportamentos simples e muito comuns devem ser evitados. A exposição constante a volumes altos é prejudicial e a longo prazo pode causar perda parcial ou total da audição, além de zumbido no ouvido

Algumas pessoas estão mais suscetíveis a esse problema. Vendedores ambulantes, que ficam expostos aos ruídos da rua são um exemplo, assim como músicos, que chegam à velhice com a audição prejudicada por causa do volume de seus instrumentos e shows. 

O uso de fones de ouvido, mesmo em volume razoável, não deve ser prolongado. A cada duas horas, no máximo, é preciso fazer um intervalo de meia hora, e o volume nunca deve ser alto o suficiente para que outra pessoa ouça o som que vem dos fones. 

Além de todos os cuidados mencionados, é muito importante que um otorrinolaringologista seja procurado em casos de incômodo, dor, entupimento, zumbido ou algum estranhamento na audição. 

A perda da audição pode ser evitada e minimizada quando um especialista é acionado a tempo. Por isso, mesmo quando não há incômodos, consultas de rotina devem ser agendadas, em especial a partir dos 60 anos de idade. Afinal, seus ouvidos devem receber a mesma atenção que qualquer outra parte do seu corpo!

Ao ficar de olho nessas dicas, você garante audição saudável por mais tempo!

Pin It on Pinterest